O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Teresina, PI
Sábado, 18
Novembro de 2017

09/11/2017 - 16h57min

Temer defende reforma 'possível' e diz que outra terá de ser feita em '5, 6, 10 anos'

O presidente Michel Temer disse em café da manhã com deputados nesta quinta-feira (9) que a redução ainda maior da proposta original da reforma da Previdência para uma mais enxuta é o "possível", mas que não irá perdurar "para todo o sempre".

Segundo o Blog apurou, Temer disse aos presentes na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que, se a reforma for aprovada hoje, "evidentemente daqui a 5, 6, 10 anos é preciso uma nova reforma previdenciária".

"Não vai perdurar para todo o sempre. Mas é o possível agora, mas um possível muito saudável porque significa uma vantagem para a administração pública", disse Temer, segundo relato obtido pelo Blog.

Para Temer, é preciso eliminar o preconceito em relação ao tema.

Ele disse aos parlamentares que o governo vai começar uma intensa campanha nas próximas semanas para explicar as mudanças nas regras de aposentadoria. "Vamos cortar privilégios inadmissíveis".

"Governo vai massificar uma propaganda, a ideia verdadeira da Previdência Social: combate aos privilégios e assegurar que mais carentes não perderão nada. Você fazendo a reforma você aplica mais em saúde e educação", afirmou Temer.

Temer fez uma espécie de mea-culpa no café da manhã a respeito de sua declaração na segunda-feira (6) de que a reforma poderia não ser aprovada no seu governo.

O presidente afirmou aos presentes que, após conversa com líderes do Senado, sentiu o "impacto" na Bolsa de Valores e que sua fala nas redes sociais acalmou o mercado já no dia seguinte, o que evidencia a necessidade da reforma da Previdência.

Temer disse também que formataram uma hipótese de uma emenda aglutinativa -que ainda será apresentada- e que "talvez seja transitável". "Se for, fechamos as 5 reformas como as mais importantes para o país".

Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que o problema da Previdência não é técnico, e sim político.

Maia afirmou que os deputados concordam que a reforma é necessária -apesar de desgastante-, mas que a saída será pela política.

O presidente da Câmara é um dos defensores de uma reforma ministerial.
G1 





17/11/2017 - 19h30min
A ameaça totalitária