O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Teresina, PI
Terça, 16
Outubro de 2018

23/05/2018 - 14h28min

Maia diz que negocia corte 'provisório' do PIS/Cofins sobre diesel

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou nesta quarta-feira (23) que negocia a inclusão de um corte "provisório" no PIS/Cofins que incide sobre o diesel no projeto da reoneração, que reestabelece a cobrança de imposto sobre a folha de pagamentos de setores da economia que haviam sido beneficiados por desoneração.

Maia também afirmou que vai discutir uma proposta para redução do preço da gasolina e do gás de cozinha (leia mais abaixo nesta reportagem).

De acordo com o presidente da Câmara, a negociação sobre o diesel está sendo feita com o relator do projeto de reoneração, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) e a proposta prevê o corte do PIS/Cofins sobre diese até o fim do ano.

Na terça, em meio a protestos de caminhoneiros pelo país, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou que o governo fechou acordo com o Congresso para zerar a cobrança da Cide sobre o diesel.

Seis perguntas para entender os protestos
Pelo acordo, o corte da contribuição será feito assim que os parlamentares aprovarem o projeto da reoneração. A ideia é que a retomada da cobrança de impostos sobre setores da economia, prevista pela reoneração, compense a perda de arrecadação do governo federal com o corte da Cide.

Mais tarde nesta quarta, ao chegar à Câmara, Maia disse que acha possível votar a reoneração na terça-feira (29) de manhã, mas que isso só será feito "depois que o governo publicar o decreto do Cide". Na terça, Guardia havia dito o contrário: que o corte da Cide ocorreria após a aprovação da reoneração.

No fim da manhã, depois de encontro com a presidente do Supremo Tribunal Federal, a ministra Cármen Lúcia, Maia disse esperar que o governo edite ainda nesta quarta o decreto zerando a cobrança da Cide sobre o diesel – e não espere a votação do projeto da reoneração pela Câmara.

Maia também considera que o bloqueio de caminhoneiros nas estradas tem impactos na economia. “Tem, claro [impactos na economia]. Por isso que a gente espera que hoje ainda o governo edite o decreto da Cide, não fique esperando a votação da Câmara”, declarou.

Ainda sobre os bloqueios por conta da greve dos caminhoneiros, Rodrigo Maia afirmou que pretende buscar diálogo com o setor.

"Vou ver se nas próximas horas eu converso com alguns líderes aqui de Brasília dos caminhoneiros para ver se há algo na legislação que eles estejam demandando para que a gente possa a ajudar a reduzir o dano que a greve vem gerando na vida das pessoas", afirmou o presidente da Câmara.
G1 

15/10/2018 - 15h18min
Professores para o Brasil


15/10/2018 - 15h00min
Os fiéis de Bolsonaro

15/10/2018 - 14h55min
Uma extensa ficha corrida

13/10/2018 - 06h03min
No berço da intolerância

13/10/2018 - 05h54min
Por que ele está quase lá