O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Teresina, PI
Terça, 16
Outubro de 2018

08/08/2018 - 20h49min

TCU aumenta punição a envolvidos em 'pedaladas fiscais' no governo Dilma

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu nesta quarta-feira (8) aumentar a punição de alguns envolvidos nas chamadas "pedaladas fiscais". Em outros casos, a Corte retirou as multas aplicadas (leia os detalhes mais abaixo).

No entendimento do tribunal, as "pedaladas fiscais" praticadas entre 2013 e 2014, no governo Dilma Rousseff, consistiram em os bancos públicos pagarem programas sociais do governo – entenda ao final esta reportagem.

Ao analisar o caso nesta quarta, o TCU aumentou de cinco para oito anos o tempo em que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega está inabilitado a ocupar cargos de comissão e funções públicas de confiança.

O tribunal ainda decidiu inabilitar o ex-presidente do Banco do Brasil Aldemir Bendine, também ex-presidente da Petrobras.

O G1 buscava contato com as defesas dos dois. Eles ainda podem recorrer ao TCU, apresentando os chamados "embargos de declaração". Se os recursos forem feitos, as punições serão suspensas até o julgamento.

Há cerca de dois anos, Dilma sofreu impeachment porque, no entendimento da maioria do Congresso Nacional, em 2015 o governo voltou a praticar as "pedaladas".

Na ocasião, ela e os ministros responsáveis pelos programas negaram a acusação e afirmaram que a perda do mandato de Dilma foi um "golpe".

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Para o relator, ministro Walton Rodrigues, o aumento da punição a Mantega é justificável porque o ex-ministro estava à frente da equipe econômica que definiu as estratégicas e "maquiou" os resultados das contas públicas.

Com a mudança de punição decidida nesta quarta, o tempo que Mantega ficará proibido de ocupar cargos públicos se iguala à punição aplicada ao ex-secretário do Tesouro Nacional Arno Augustin. Em 2016, os dois também foram multados em R$ 54 mil.

Guido Mantega: Tempo de inabilitação para cargos e funções públicas passou de cinco para oito anos;
Aldemir Bendine: Inabilitação para cargos e funções públicas por seis anos e aumento da multa de R$ 30 mil para R$ 50 mil.
>>> Cancelamento de multas:

Jorge Hereda (ex-presidente da Caixa): cancelamento da multa de R$ 30 mil;
Alexandre Tombini (ex-presidente do Banco Central): cancelamento da multa de R$ 30 mil;
Túlio Maciel (ex-chefe do departamento econômico do BC): cancelamento da multa de R$ 25 mil.
O relator do caso chegou a propor a inabilitação e o aumento da multa aplicada a Luciano Coutinho, ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A maioria dos ministros, contudo, seguiu o entendimento de José Múcio, que propôs não inabilitar o ex-presidente do BNDES.

O tribunal aponta que, entre 2013 e 2014, o governo Dilma Rousseff atrasou "sistematicamente" o repasse de recursos à Caixa, ao Banco do Brasil e ao BNDES destinados ao financiamento de programas sociais, entre os quais Bolsa Família, Abono Salarial, Seguro Desemprego, Plano Safra e Programa de Sustentação do Investimento (PSI).

Sem os repasses, diz o TCU, os bancos pagaram, com dinheiro próprio, as despesas com os programas, o que era responsabilidade do governo.

O TCU entendeu, ainda, que as instituições fizeram empréstimos à União, proibido pela Lei de Reponsabilidade Fiscal (PRF), com o objetivo de "maquiar" as contas públicas.

O tribunal também questionou o fato de as dívidas do governo com os bancos "não estarem sendo computadas na Dívida Líquida do Setor Público"ase para a avaliação do cumprimento, pelo governo, das metas fiscais estabelecidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias.
G1 


16/10/2018 - 08h58min
Pesquisa Ibope,Bolsonaro lidera.

15/10/2018 - 15h18min
Professores para o Brasil


15/10/2018 - 15h00min
Os fiéis de Bolsonaro

15/10/2018 - 14h55min
Uma extensa ficha corrida