O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Teresina, PI
Quinta, 20
Setembro de 2018

14/09/2018 - 19h50min

Cada vez mais potente e mais caro

Faz tempo que o iPhone é o objeto de desejo de muita gente. Tanto que a estratégia recente da Apple envolve o lançamento de modelos mais caros, feitos justamente para quem quer ostentar o ápice da tecnologia em smartphones. Na quarta-feira 12, o presidente da companhia, Tim Cook, anunciou os próximos modelos do aparelho que chegarão às lojas nas próximas semanas. Há uma versão mais popular e outra com tela gigante e melhorias no processamento de dados. A versão mais cara, no entanto, custará US$ 1099. O preço no mercado brasileiro ainda não foi divulgado, mas sites especializados têm feitos as contas e ele deverá passar de R$ 10 mil reais.

A principal novidade é a linha XS. O novo aparelho tem corpo de vidro, moldura de aço inoxidável, tela de 5,8 polegadas e não tem o botão frontal. A liberação será feita por reconhecimento facial. A grande diferença é o processador: o A12 Bionic, superior ao A11 Bionic do iPhone X. Com ele, a Apple dispara na frente, já que os celulares com sistema Android ainda não conseguiram atingir a capacidade do A11. Há uma versão Max do XS, com tela de 6,5 polegadas. É este modelo, com a memória de 512 GB, que pode ultrapassar R$ 10 mil. Nos Estados Unidos, os modelos anteriores tiveram uma redução de preço após o anúncio. Por aqui, o preço se manteve. Há ainda uma opção um pouco mais barata: o XR, com tela de LCD no lugar do OLED.

Cook anunciou também o Apple Watch 4, cujo foco é a saúde. A tela ficou maior e o aparelho faz eletrocardiogramas e detecta quedas, avisando contatos próximos se não receber uma resposta em 60 segundos.

 

Terceiro lugar

Durante um bom tempo, a Apple disputou a liderança com a Samsung. Mas em 2018, pela primeira vez em sete anos, a companhia ficou em terceiro lugar. Foi superada pela chinesa Huawei, que se tornou a segunda maior fabricante de smartphones do mundo, com 16% do mercado. A Samsung tem 21% e a Apple, 12%.