O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Teresina, PI
Domingo, 16
Dezembro de 2018

17/11/2018 - 20h35min

O regresso de Levy

O engenheiro Joaquim Levy, conhecido como mãos de tesoura, está de volta à cena política. Estará à Crédito: UESLEI MARCELINOfrente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDE) durante o próximo governo. Sua função principal será abrir a caixa-preta do banco de fomento, que se perdeu em operações suspeitas nos últimos governos. Por determinação do presidente eleito Jair Bolsonaro, Levy terá que suspender todos os sigilos e dar total transparência na gestão de investimentos do banco. No comando do BNDES, Levy atuará em três frentes. Cuidará da infraestrutura e da logística nos trabalhos do Programa de Parceria e Investimentos (PPI) e também ficará responsável pela área de inovação, estimulando a criação de novas startups e injetando recursos em outras já existentes. Sua função mais estratégica, porém, será viabilizar as privatizações prometidas pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

Levy, que atualmente é vice-presidente do Banco Mundial, em Washington, foi indicado para o cargo por Guedes e pretende se integrar em breve à equipe de transição. “Ele tem um passado com Dilma, com Sérgio Cabral, mas não há nada contra sua conduta profissional. Sendo assim, eu endosso o Paulo Guedes”, afirmou. Bolsonaro se refere ao período que Levy exerceu funções em governos anteriores. Doutor em Economia pela Universidade de Chicago, a mesma de Guedes, Levy foi economista-chefe do Ministério do Planejamento a partir de 2001, durante a gestão de FHC e, em 2003, foi designado secretário do Tesouro Nacional pelo então presidente Lula. Também esteve no governo de Sérgio Cabral, no Rio, e foi ministro da Fazenda de Dilma Rousseff.

Durante seu período na gestão de Lula, Levy foi um dos incentivadores da política de campeãs nacionais do BNDES, um núcleo de empresas que seriam inseridas entre as maiores do mundo. Foram investidos quase R$ 20 bilhões em companhias como a OGX, de Eike Batista, e a Oi. Mas a política foi um retumbante fracasso. O conglomerado OGX faliu, e a Oi acabou sendo fundida com a Portugal Telecom. Os repasses do Tesouro ao BNDES acabaram aumentando a dívida bruta brasileira. E não houve um cuidado em observar quais casos não deram tão certo, cortando os investimentos em empresas “perdedoras”. A falta de transparência e a gestão equivocada desses recursos foram dois dos motivos que tornaram o governo Dilma catastrófico. Nesse caso, não por culpa de Levy.

istoé