O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Teresina, PI
Terça, 21
Maio de 2019

22/04/2019 - 11h13min

Hemopi é referência no diagnóstico e tratamento da hemofilia

O paciente diagnosticado com gemofilia tem o Ambulatório do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi) como referência para o tratamento da doença. Atualmente, 285 pacientes recebem tratamento terapêutico e farmacológico. 

A hemofilia é um distúrbio na coagulação do sangue. Uma alteração genética que não permite a fabricação de algumas proteínas, impedindo assim a coagulação. 

O Hemopi é um centro de referência estadual para o diagnóstico e tratamento da hemofilia. “Aqui, o paciente tem todo o acompanhamento multidisciplinar de que precisa. É uma doença que não tem cura, mas o tratamento ajuda a melhorar a qualidade de vida de quem convive com a hemofilia”, explica a hematologista pediátrica, Maria Alice. 

O diagnóstico precoce ainda na infância pode ajudar o paciente a manter uma vida bem próxima do normal e praticar atividades simples como subir escadas ou alguma atividade física leve. O acesso ao serviço é feito através da regulação do Sistema Único de Saúde (SUS). 

“Temos também um serviço de Urgência para esses pacientes que funciona 24 horas. Quando o paciente tem algum problema relacionado à doença, sem sangramentos, ele pode recorrer ao Hemopi. No caso dos pacientes com sangramento, eles devem ser encaminhados a um serviço de emergência que aciona o médico plantonista do Hemopi para acompanhar o atendimento”, explica a chefe do ambulatório, Yara Xavier. 

O ambulatório do Hemopi funciona de segunda à sexta nos turnos da manhã e tarde.  

Dia Mundial da Hemofilia

Comemorado em 17 de abril,  o dia foi criado no intuito de conscientizar sobre a doença e a importância do tratamento para a qualidade de vida do hemofílico.

A Associação dos Hemofílicos do Estado do Piauí promoveu hoje uma ação alusiva à data no auditório do Hemopi. “Atualmente, a Associação acompanha 183 pacientes tipo A e 18 tipo B (a referência se deve ao tipo de fator deficiente no sangue), e também seus familiares e pais. Nós orientamos sobre o tratamento e como eles devem se relacionar com a doença”, explica o presidente da Associação, Francisco Jevanilton.

Ele esclarece ainda que a Associação também assiste pessoas com Doença de Von Willebrand, uma outra deficiência nas proteínas do sangue que causa problemas de coagulação semelhantes a hemofilia.

Segundo o hematologista e gerente técnico do Hemopi, Luiz Ivando Pires, o diagnóstico precoce é essencial para a qualidade de vida dos pacientes. “Ao detectar a doença ainda no início, é possível evitar complicações, em especial, as ortopédicas ao longo da vida do paciente”, descreve.

 

Autoria: Sana Moraes
20/05/2019 - 18h50min
Todos pela educação